Beijar e namorar

beijo na boca é coisa do passado a moda agora é...é namorar pelado beijo na boca é coisa do passado a moda agora é...é namorar pelado e joga as mãos pra cima bate na palma da mão e deixa o seu corpo vai descendo até o chão e joga as mãos pra cima bate na palma da mão e deixa o seu corpo vai descendo até o chão agora eu quero ver ... Namorar, para mim, é diferente ... Escritora convidada bunditinay via Getty Images 'Nem curto muito beijar – há saliva e dentes demais para meu gosto.' Sair para encontros ou namorar nunca foi ... ♬ Beijar e Namorar 0 Posts. Watch short videos with music Beijar e Namorar on TikTok. Tem gente que acha que beijar de língua é só colocar a língua dentro da boca da outra pessoa e mexer ela pra lá e pra cá. NÃO! Não faça isso. É horrível. E vai deixar a outra pessoa bem sem graça. Movimente a sua língua de forma suave e maleável. Movimente os lábios [macios e hidratados]. Dê mordidinhas. Use as mãos! Jogar Beijar o namorado Online - Jogue Grátis‎ Um casal apaixonado adora trocar muitos beijos e ter muita privacidade para namorar, mas infelizmente esse casal não tem essa sorte. Eles estão na fazenda e precisa tomar conta dos perus. Ajude o casal a se beijar e prestar atenção nos perus para que els não fujam. Como Namorar. Namorar pode ser um difícil para qualquer um. Uma cantada e um convite para sair podem ser um belo de um fiasco tanto para a galera tímida e inexperiente quanto para os mais saidinhos e calejados na arte da conquista. No... Namorar é algo que vai muito além das cobranças. É cuidar do outro e ser cuidado por ele, é telefonar só para dizer bom dia, ter uma boa companhia para ir ao cinema de mãos dadas, ter alguém para fazer e receber cafuné, um colo para chorar, uma mão para enxugar lágrimas, enfim, é ter alguém para amar. Jogo Beijar e Namorar no Paraíso. Namore e Beije muito numa praia paradisíaca neste divertido jogo para Meninas. Jogos Femininos Pergunta: Olá! Quando Jesus entra no seu coração seu comportamento muda.. ai você para de praticar algumas coisas, para de azaração e pegação.. para de sair à noite e ficar com as meninas. Mas se vc gosta de alguém mas não quer namorar com ela agora. Qual o problema beijar essa pessoa…

Tenho medo de conversar com pessoas

2020.09.15 22:25 Yog-Shoghoth Tenho medo de conversar com pessoas

Desculpa o texto longo
Desde pequeno sou uma pessoa muito insegura, sempre sofri com bullying, seja verbal ou físico, de dentro e fora de casa, porém, nos últimos 2 anos, sinto que minha vida melhorou, hoje moro apenas com a minha mãe e estudo em uma escola bacana porém, ainda tem algo que me aflige.
Em todas as escolas que estudei nunca fui o garoto popular, sempre me sentei na frente e fiquei sozinho no intervalo, conhecia as pessoas porque elas vinham falar comigo para saber quem eu era, porém eu sempre gaguejava e morria de vergonha, ficava de touca longe de todo mundo lendo ( hábito que sempre tive muito por influência da minha mãe )
Porém, as pessoas que eu menos conseguia conversar eram garotas. Tipo, conseguia conversar tranquilamente com adultos, e com o tempo, aprendi a perceber sobre que assuntos eram mais fáceis de conversar com garotos, porém sempre tive problema com o sexo feminino. E, nesse últimos anos, as coisas melhoraram e pioraram.
Hoje estudo em uma escola em que não sofro bullying, fico um pouco mais tranquilo e tenho uns colegas legais, mas no começo do ano comecei a gostar de uma garota, a quem chamarei de N1. N1 era uma garota legal, que tinha gostos muito parecidos e a conheci por um amigo em comum porém no meio do ano, ela começou a namorar com um garoto e parou de falar comigo ( coisa que me deixou bem mal ) e eles ficavam se pegando no meio da sala de aula, o que me deixava meio incomodado, porém as coisas ainda pioraram.
Durante esse meio do ano ao qual fiquei mal, comecei a gostar de uma garota a qual chamarei de N2, bonita e popular, mas que sempre me tratou bem e me chamava de amigo, e, durante esses outros 6 meses, me apaixonei por ela, passava todas as aulas querendo fazer ela rir, contava piadas ( sempre fui péssimo nisso), ouvia como tinha sido o dia dela e sempre me preocupava com ela, uma das coisas que mais gostava de fazer era cheirar o cabelo dela, principalmente nos dias que ela o lavava, chegando ao nível de adivinhar quando ela o lavava e qual shampoo ela usou, chegava em casa e só ficava pensando/falando dela, e vivia pensando no seu sorriso.
No final de 2019/2020 eu mandei uma mensagem para ela me declarando ( coisa que foi um grande erro, visto que eu não conseguia falar isso para ela ao vivo ) e ela me respondeu dizendo que gostava de mim como amigo e que se desculpava se tivesse me feito mal ( pois ela se abria muito comigo e contava se tinha ficado com alguém ou estava gostando de alguém ) respondi para ela não se preocupar e beleza.
2 semanas depois ela começou a namorar com um garoto que ela tinha conhecido a 1 mês atrás, e no dia do seu aniversário, acabei não indo pois tinha medo de chegar lá e ver ela com ele, então acabei ficando em casa, triste. Quando nos voltamos as aulas, ela começou a ter uma mania de me contar sobre o seu relacionamento, desde as coisas que ele falava para ela até fotos dele, e, eu acabava não reclamando pois me sentia feliz dela me considerar amigo o suficiente para falar sobre essas coisas, porém isso me machucava muito, me deixava se sentindo um lixo. Cerca de dois meses depois eles terminaram ( ele traiu ela ) e, agora na pandemia, sinto que perdi o contato que tinha com ela, tenho vergonha/medo de falar com ela, e sinto saudades de ouvir sua voz, ver o seu rosto.
Me sinto um lixo por ter estragado a nossa amizade e me sinto o garoto mais bosta do mundo. Fico sempre pensando que sou um merda, o pior homem do mundo, que nunca vai conseguir ser ninguém pois é um covarde e fraco. Tenho uma mãe legal com quem consigo conversar, porém não consigo me abrir sobre essas inseguranças. Sinto como se eu fosse o único que não consegue ter alguém, seja um amigo ou namorada, e, sempre vi sobre esse esteriótipo de homem perfeito, que não chora nem sofre, e é um ombro amigo para as pessoas e, não consigo ser assim, muitas vezes deito em posição fetal e choro me sentindo um lixo, ou tento ficar jogando/lendo para esquecer minhas fraquezas. Nunca me considerei um garoto bonito, e, quando criança, não gostava de escovar os dentes, o que me fez ter 6 dentes estragados e 1 torto, agora tenho medo de beijar alguém, quanto mais sorrir, sinto vergonha de falar próximo das pessoas, estava indo ao dentista, porém com essa pandemia acabei parando.
Bom, esse é meu desabafo, e desculpe esse final ficar meio nice guy.
submitted by Yog-Shoghoth to desabafos [link] [comments]


2020.09.14 06:17 EnricoPorto Como eu pude ferrar tudo?

Sempre fui uma pessoa que sempre quis amar alguém e esse pessoa também me amar e sempre tentei namorar várias meninas na escola porém nunca deu certo e acabava ficando frustado demais e triste, mesmo muitas pessoas falam que eu sou uma cara bonito e acho q divertido não sei o que falta em mim para achar alguém que me ame tão como eu amo ela.
Porque uma vez conheci uma menina que era muito legal e está realmente gostando dela e um dia decidi levar pro cinema pq eu queria conversar mais com ela pessoalmente então nós fomos ao cinema assistimos um filme e enquanto o filme está rolando pedi minha oportunidade de beijar ela pq nunca tinha falado que gostava dela como eu sentia como paixão mais eu fui burro por não entender que ela também senti o mesmo por mim e decidi não beijar ela e alguns dias atrás queria falar com ela porque eu queria só falar com ela porque oq eu sentia por ela ainda existia porém ela me deu uma resposta muito negativa (porém eu entendo) e isso me deixou muito triste me quebrou por dentro pq eu ainda sentia algo muito forte por ela e eu não mostrei isso e sempre que eu vou dormir lembro dela no meu lado podendo começar um bom namoro
Eu não quero mais passar por essa situação denovo e queria que homens e mulheres conversassem entre os outros para me ajudar.
E estou ficando tão triste que estou começando a seguir canais para ajudar com relacionamento e não quero que uma dessas dicas seja algo ruim e acabe com algo no futuro.
submitted by EnricoPorto to desabafos [link] [comments]


2020.09.13 00:37 Enscie Relatos de um abuso e sua opinião!

Vou contar algo que rolou a anos comigo e pode estar me afetando...
Quando eu era pequeno sofri abuso psicológico... pela professora! No ensino inicial eu gostava de uma menina e sempre ia pedir ajuda dela mesmo que não precisasse, para me deter a professora usava de argumentos de por em um quarto escuro onde um bicho iria me comer, e isso me gerou uma porção de pesadelos na época, mesmo assim ainda ia atrás da menina até ir parando por causa das ameaças e me por sentando sem o mínimo de pedagogia... Até que passei a não querer ir para a escola...
No segundo ano da escola, segunda serie era outro colégio e alguns amigos da antiga primeira serie... Tinha alguns "amigos", eu continuava ajudando todos na sala e tal, e era feliz assim... Mas um dia fomos brincar num canto mais escondido do pátio... Anos depois cercaram essa área... mas nesse dia brincamos normal e tal, e fomos ir brincar mais e mais lá, até que começou as agressões em forma de empurrão, jogar no chão e prender num espaço que tinha uma espécie de gaiola de gás... Um dia me jogaram no chão e um deles puxou meu cabelo... E pegou meu rosto e passou na região do pênis dele por cima do calção... E outro veio e fez como se fosse sexo de quatro comigo e isso durou alguns dias... mas me lembro apenas de um... Até que um dia eles até deixavam o pênis ereto e eu sofria muita humilhação tipo ter que carregar eles nas costas de quatro... Fingiam sexo de quatro e esfregar minha cara no pinto deles por cima da cueca... Sei que isso não é muito comparado a quem foi estuprado com penetração e tal... Mas me afetou negativamente pois nunca confiei num amigo como deveria... Poiis os mesmo iam em minha casa e fala pra minha mãe "que era amigo"... Em fim passei anos odiando ir para a escola sem meus pais saberem disso... eles só souberam da agressão que me fez ficar paralisado durante um dia e usar colete...
Isso me deixou com confusão sobre sexualidade, sabe? Aos meus 17~18 conheci pornografia de trans e gostei, e depois de um tempo comecei a fazer estimulação anal e tal... Mas sempre me trouxe uma insatisfação... As vezes penso pq cresci ouvindo ser gay dos "amiguinhos" e dos abusadores ouvia que eu "gostava" daquilo sabe...
Aos 22 quando comecei a namorar uma menina BI, eu achei que podia falar sobre tudo com ela... e até praticamos inversão... E no fim isso não me dava satisfação... tinha a vontade de fazer, mas não me satisfazia... No fim até como ativo eu passei a me sentir insatisfeito até por ter um problema de EP...
Quando namorava, chegou uma época que queria ficar com um homem... para poder saber se era o que eu queria... e minha Ex queria até ajudar nisso, mas só de imaginar eu sinto nojo de pensar em beijar e tal... Até com trans eu sinto um nojo interno, não sendo preconceituoso... Mas existe aquela vontade e excitação seja com o pênis ou com a trans... Isso talvez seja um fetiche não sei...
Se alguém puder me ajudar, eu agradeço... Tenho 24 anos... E não me sinto bi, mas gosto de mulher e até posso desejar as vezes uma trans ou cara... mas não é o que quero pra mim, até pq também sinto o nojo sabe.
No fim acho que namorar uma BI e Ter sofrido isso mexeu com minha ideologia...
submitted by Enscie to desabafos [link] [comments]


2020.09.12 15:01 JKLPuzz0 Situação difícil

Tô passando por uma situação complicada, em meados de 2018 eu entrei na vida adulta (faculdade, emprego e afins) como de costume minha saúde mental foi pro ralo, foram dias infernais, durante esse tempo me aproximei muito da minha melhor amiga, que até então era só melhor amiga, quando eu vi tava sonhando acordado com ela e a desgraçada usava um perfume bom pra cacete que me deixava louco. Investi aos poucos pra não quebrar a cara mas fui lerdo demais e um outro cara levou. Vida que segue até então, arrumei uma namorada em 2019, o problema é que desde 2018 eu não consigo parar de sonhar com a minha amiga, eu sinto uma vontade gigante de beijar ela e fazer outras coisas também KK, mas isso me perturba, eu sou um pnc por namorar e ainda desejar estar com essa minha amiga? Eu deveria me afastar dela? O que eu faço gente, isso tem tirado meu sono ultimamente...
submitted by JKLPuzz0 to desabafos [link] [comments]


2020.08.23 16:54 Yanuda543 Fui toda a vida restringido sexualmente pela religião e agora estou destruindo meu corpo

Não me vou alongar , mas basicamente fui restringido a vida toda pela religião cristã a não praticar sexo nem namorar na adolescência, a não ser para assumir um compromisso sério e casar. Eu sempre quis namorar e poder beijar os/as crush e experimentar ter sexo.
Eu era viciado em pornografia e chegou uma altura, nos meus 20, que não aguentei a pressão mais e comecei a transar com várias pessoas, algumas infelizmente sem camisinha. Eu tinha um apelo e apetite sexual descontrolado , então queria fazer sexo com qualquer pessoa que aparecesse. Cheguei a fazer na rua, na praia, e na casa dos meus familiares quando não estavam lá.
Por causa disso peguei algumas doenças como gonorreia (já tratei), mas descobri recentemente que provavelmente estou com HPV. Fiz testes e felizmente não tenho HIV, mas entrei em desespero em saber que tenho HPV. Desde então comecei a ter crises de ansiedade e ataques de pânico, e nunca mais consegui dormir direito.
Se eu não tivesse sido restringido sexualmente toda minha vida nada disto teria acontecido, e eu poderia namorar e transar normalmente com proteção e com alguém que realmente estivesse apaixonado. Agora estou a destruir o meu corpo e não sei mais o que fazer, eu só quero morrer e desaparecer. Estou muito angustiado.
submitted by Yanuda543 to desabafos [link] [comments]


2020.08.23 00:19 johnmarston1997 A Odisséia da minha vida sexual (até agora)

Não tenho um motivo pra claro pra escrever este desabafo, além de querer que outras pessoas aprendam com meus erros, e talvez não se sintam tão ruins sabendo que os problemas que elas enfrentam, muitas outras enfrentam também.
Pra começar, desde criança, sempre ouvi que eu era bonito. Tenho olhos azuis, cabelo liso, mas essa bajulação acabou me fazendo mal como vou mostrar mais adiante.
Passei o ensino médio inteiro sem pegar ninguém. Naquela época tinha acabado de virar metaleiro e meu cabelo tava quase na cintura, além do mais não fazia ideia de como chegar em alguém. Teve uma vez que eu cheguei a falar pra uma menina olho no olho que eu gostava dela, sendo que nós nem éramos tão próximos, só que obviamente ela disse não (afinal, o que mais ela poderia ter feito diante de uma abordagem tosca dessa ?).
Enfim, dae fui pra faculdade ainda bv, com 18 anos. Fui fazer o curso de engenharia eletrônica numa federal e até aquele momento as pessoas diziam "é assim mesmo, as coisas vão mudar quando você entrar na faculdade". E de fato, esse pensamento cômodo de que" você é bonito, não precisa se preocupar" me atrasou muito. Nada cai do céu, jovens, nunca se esqueçam disso. Enfim, fui pra algumas calouradas com alguns amigos, e finalmente perdi o bv. Uma menina simplesmente me agarrou e começou a me beijar. Não era nenhuma modelo, mas pra quem tava começando ja tava ótimo. Porém, eu, tabacudo como eu era, não peguei o número dela, e ficou por isso mesmo.
Porém, logo o logo o curso começou a apertar de verdade, e eu não tinha tempo pra mais nada além de estudar. Então passei dois anos sem dar um beijo sequer, sem marcar um encontro, nada.sem falar que ainda era virgem. Meu pai àquela altura já estava começando a achar que eu era gay, então me deu dinheiro e disse pra eu ir contratar uma prostituta. Fiz isso, e apesar de ter perdido a virgindade, o negocio foi uma merda. Nem fez tanta diferença assim no final das contas. O sexo foi completamente desajeitado. Até que com 21 anos, uma menina praticamente caiu do céu no meu colo. Tava no restaurante universitário, tinha acabado de sentar com o meu jantar e a menina da minha frente simplesmente falou comigo dizendo que queria me pegar kkkkk além do mais era razoavelmente bonita, então dessa vez aprendi com os meus erros e peguei o numero dela. Marcamos de jantar e depois consegui convencer ela a ir num motel e finalmente perdi REALMENTE a virgindade com 21 fucking anos.
A partir daí, meu objetivo passou a ser conquistar garotas sem depender da sorte de uma delas simplesmente cair do céu no meu colo. Comecei a usar o tinder pesadamente, e descolei várias transas assim, porém logo percebi que a desvantagem do tinder é que as garotas mais atraentes não o usam, pois não precisam. Dessa forma, você fica restrito às garotas feias ou medianas.
A princípio, isso pra mim não era problema. Tava na minha fase de urubu, pegava qualquer uma que me desse mole.Pegava até mulheres de 40 anos. Só o sexo era importante pra mim nessa época . Mas logo logo fui enjoando. Fui querendo ter algo a mais, comecei a desejar algo que até então nunca tinha tido: um relacionamento. Até agora todos os relacionamentos que eu tinha eram casuais, visando apenas o sexo. Não tinha vontade de namorar nenhuma das mulheres com as quais eu transava.
E assim, percebi que tinha que mudar minha estratégia. Comecei a perceber que pqra arranjar alguém que eu realmente gostasse, precisaria aprender a conquistar alguém ao vivo e a cores, e não por um aplicativo. Isso era algo que eu não sabia fazer( e eu ja tinha 23 anos), mas tinha que aprender urgentemente. Vi todos os vídeos de YouTube possíveis sobre o assunto, e começei a abordar mulheres em baladas e festas, a princípio sem muito sucesso.
As coisas realmente mudaram no Carnaval deste ano. Fui com alguns amigos meus e consegui aprender algumas coisas sobre abordagens. Ao longo do Carnaval, devo ter beijado umas 12 meninas ao todo, sendo que 2 delas resolvi pegar o contato pra depois. A partir de então, finalmente consegui sentir um pouco de confiança em mim mesmo em relação às minhas habilidades Porém, logo, logo, veio a pandemia, e desde março não tenho um encontro, um beijo, nada. E provavelmente vai ser assim pro resto do ano.
Enfim, quis fazer isso pra mostrar que se relacionar não é algo fácil pra muita gente. Pra mim certamente não foi. A sensação que eu tenho é que eu tive que aprender coisas que a maioria das pessoas já naturalmente sabem. Até os 22 anos, não fazia ideia de como pegar alguem. Hoje,não sou nenhum Casanova mas pelo menos tenho uma ideia melhor do que eu devo, ou não devo fazer. Mas no final das contas ainda não arranjei uma namorada depois de tudo isso hahahahahah
submitted by johnmarston1997 to desabafos [link] [comments]


2020.08.19 00:08 ItzHaruka Preconceitos estão me derrubando em um poço sem fim.

3x tentando postar... acho que agora foi..
Oi, pessoa que está lendo esse texto agora. Eu gostaria de desabafar sobre algo.. e se voce chegar até o final, adoraria um conselho, pode ser..?
Bem.. tenho 19 anos, sou um garoto transsexual (menina que se vê como menino) e nasci em uma família de Transfobicos religiosos. Desde o começo eu sofri preconceito, independente do que fosse. Eu comecei a namorar aos 12 anos mas desde os 10 eu ja ouvia a minha própria família sendo completamente homofobica comigo, sem eu nem mesmo saber se gostava de garotos ou garotas.. me julgavam, me chamavam de coisas horríveis e diziam que era apenas brincadeira..
Tudo só piorou quando descobri que era trans e gay.. comecei meu novo namoro aos 15 anos.. ele.. por incrível que pareça, estava passando pela mesma situação que eu.. eramos duas meninas que se enxergam como garotos e sofriamos com a homofobia de nossas famílias. Uma vez, na praia, eu resolvi contar pra alguém.. e isso terminou em um adulto de 29 anos (detalhe.. eu tinha 16) tentando me beijar.. eu tentei o parar e fiquei com medo.. me encolhi no canto do carro e não movi um músculo até ele me levar para casa.
Quando cortei meu cabelo.. como as pessoas dizem "joaozinho" recebi tantos insultos... e as pessoas começaram a falar cada vez mais de mim pelas costas... me xingavam... eu.. cheguei a descobrir que meu pai nem mesmo queria que eu tivesse nascido ao ponto de ter pedido um teste de DNA para confirmar se eu era seu filho... as palavras que ele usou me quebraram de tantas formas... "ela é o lado ruim da família, não é possível que seja minha filha" (mesmo eu me assumindo como transsexual.. continuaram a me chamar na forma feminina.. e olha... isso doia...)
Eu... comecei a ser tratado que nem escravo na casa de meus pais... limpando a casa toda sozinho... pra depois as pessoas julgarem dizendo que eu "não limpei direito"..
Eu sinceramente... não consigo mais aguentar... estou a beira do meu limite de cair nesse buraco obscuro que estão me puxando... não sou religioso o que é mais um ponto negativo pra eles.... eu sou um nada..
Não tenho importância alguma... "se acontecer só enterra", eu ouvi me dizerem isso tantas vezes... quando eu tive minhas tentativas de sumir desse mundo.... eu sou tão calado.. que mal tenho coragem de dizer algo... porque sei que irei acabar mal... eu pretendo sair dessa casa... mas até eu conseguir me ajustar... eu realmente não tenho lugar pra ir....
Essa pandemia está acabando comigo.... ter que ficar o dia todo ouvindo essas coisas... me trancar no meu quarto.... eu estou aqui desabafando porque eu sinceramente não aguento mais guardar isso só pra mim.. nao da.. sabe...? Uma hora você chega no seu limite......
Se voce leu até aqui.... eu agradeço..... sinto-me importante por um momento...
submitted by ItzHaruka to desabafos [link] [comments]


2020.08.18 01:59 EuRoddy Sou rejeitado por ser fora dos padrões

Amigos, preciso de ajuda.
Sou homem, carioca, tenho 28 anos, sou negro e gay. Embora eu seja uma pessoa normal, não tenho traços bonitos, meu rosto é coberto de cicatrizes e manchas de acne e foliculite, sou alto e desengonçado e sempre tive dificuldade em ganhar peso. Ou seja, sou feio. Talvez isso não seria um problema se minha vida não fosse tão triste...
Desde muito pequeno, sempre soube que era diferente. Embora gostasse de "coisas de menino", sempre percebi que a figura masculina me atraia muito mais que a feminina. Mas, por conta do enorme preconceito do ambiente familiar e na escola, tentei, por muitos e muitos anos, refrear qualquer tipo de sentimento homoafetivo. Sempre busquei me aproximar dos homens apenas como forma de amizade. Felizmente, pude ter alguns amigos ao longo dos ensinos fundamental, médio e superior. Apesar disso, o bullying foi uma constante na minha vida. Sempre fui humilhado, ridicularizado e até agredido fisicamente na minha infância e adolescência por ser um menino sensível, péssimo nos esportes e, sim, feio. Não bastasse a humilhação por parte dos meninos, também era rejeitado por muitas meninas. Na minha tentativa fracassada de tentar ser hétero, acumulei apenas frustrações. Conclusão: terminei o ensino médio, com 17 anos sem sequer ter beijado na boca.
Entre 2010 e início de 2012, passei um dos períodos mais solitários da minha vida. E foi nesse período que minha saúde mental piorou. Ao ter meu primeiro contato com a pornografia gay, me dei conta de que por mais que tentasse, era impossível mudar a minha natureza. Ou seja, eu era gay e teria que me conformar. Porém, logo me dei conta de que ser gay não seria fácil. Além de ter a certeza de que jamais poderia me assumir por conta da religião da minha família, me dei conta de que o meio gay tem um gosto em que não me encaixava: homens brancos, musculosos e bonitos. Exatamente o contrário do que sou.
Quando comecei a faculdade, felizmente encontrei um ambiente diferente de tudo que até então tinha experimentado. Mantendo minha sexualidade escondida, fiz amizades, fui respeitado, saí, me diverti. Porém, faltava algo. Nunca havia namorado. Sequer tinha ficado com alguém. Estava eu com 23 anos sem sequer saber o que era tocar em uma pessoa. Até que, por influencia de amigos, cometi um dos piores erros da minha vida. Tentei namorar uma amiga, a única pessoa que, até então, demonstrou abertamente ter gostado de mim como homem. Meu desespero em me sentir uma pessoa normal falou mais alto, e eu investi nesse relacionamento desde o princípio fadado ao fracasso. Foi nela em quem dei meu primeiro beijo. Mas foi só isso. Embora eu tentasse, não sentia atração sexual por ela. Por mais carinhosa que fosse, eu sabia que não era aquilo que eu queria pra mim. Mas eu não poderia dizer porque tinha vergonha e medo demais para assumir que era gay. Até que um dia, tivemos uma discussão por conta de um amigo que ela não gostava e nossa tentativa de ficada acabou poucos meses depois. Pelo menos eu saí da faculdade tendo beijado na boca. Mas ainda virgem. Aos 25 anos...
O tempo passa. Me limito a saciar minha sexualidade com pornografia e masturbação. Mas só quando dava, porque dividia o quarto com meu irmão. Em 2018 entro no mestrado. Pouco mais de um ano depois, começo a escrever minha dissertação, termino meu estágio numa boa empresa e agora tenho tempo de sobra pra ficar em casa. E foi aí que a coisa piorou mais ainda. Novamente solitário, vieram a ansiedade e os sintomas de depressão. Não tinha ânimo para nada, sentia apenas o desespero por viver uma vida de merda, sem emprego, fazendo algo que detestava, e sem nunca ter tido a oportunidade de ser quem eu realmente era. Até que, decido a finalmente viver minha sexualidade, criei uma conta em um app de encontros gay, o Grindr. Tentando ter minha primeira experiência sexual, já aos 27 anos, acabei dando de cara com outra realidade: a do preconceito no mundo gay. Sendo negro, pobre, magro e fora de qualquer ideal estético, só encontrei mais rejeição. Algumas poucas e raríssimas vezes, tive momentos de felicidade ao não ser bloqueado por alguns caras, a maioria desses apenas por causa do meu pênis, certamente a minha única qualidade reconhecida pelos gays. Por quatro meses, busquei me relacionar com alguém, sem nenhum êxito. Até que em 4 de março desse ano, tive a chance que mais queria. Perder a virgindade. Mas o que parecia bom, foi na verdade uma das piores sensações da minha vida. Ao chegar na casa do rapaz, que morava a uns 500m da minha casa, me foi dado apenas o direito de fazer sexo oral e receber o esperma dele. Migalhando um pouco de prazer, me arrisquei fazendo sexo sem camisinha com um cara que nunca tinha visto na vida. Não rolou beijo, não rolou conversa, não rolou carinho. Apenas tive 10 minutos de sexo e fui pra casa. Uma semana depois, conheci outro cara, de 38 anos, lindo. Definitivamente a melhor coisa que poderia acontecer. Quando nos encontramos, ele pegou na minha mão, conversou comigo e me deixou à vontade. E transamos. Ou melhor, tentamos. Dessa vez, a minha total inexperiência me brochou. Ele gozou, eu não. Aliás, também não gozei na minha primeira transa. Perguntei a esse cara se eu o tinha decepcionado, ele disse que não, que deu errado pelo nervosismo. Acreditei nisso. Até que um dia, ele me chamou para ir à casa dele, à noite. Por medo de dar errado de novo, e pra não gerar desconfiança em casa, não fui. E o cara que eu achei compreensivo, e o primeiro homem que beijei, aos 27 anos, passou a me ignorar. Semana passada, tive uma das piores crises de ansiedade que já senti. Chorei de domingo a sexta. Tentando me aproximar dele de novo, pedi sua ajuda. Disse que estava me sentindo mal. Perguntei a ele se ele tinha me achado realmente atraente, se ele sentiu tesão em mim. Ele disse que iria responder, que estava digitando e que mandaria a resposta quando pudesse. Até agora nenhuma resposta. Me senti rejeitado de novo. Mas nada está ruim que não possa piorar...
Continuando minha busca por viver minha sexualidade, encontro cada vez mais nãos. Quando inicio uma conversa enfiando foto, sou bloqueado. E nas situações em que a conversa passa do oi, todo interesse do outro lado acaba quando mostro meu rosto e meu corpo. Cada vez mais minha autoestima diminui. Me sinto um lixo. Desde janeiro faço academia, já ganhei peso (embora ainda magro), tenho cuidado da pele do rosto e já até adotei um penteado mais moderno, mas tudo que eu tento fazer para ser alguém atraente de nada adianta. Sou preterido por ser fora dos padrões. Me sinto feliz por saber que ao menos uma vez pude beijar e me relacionar com alguém. Mas a certeza de que dificilmente irei encontrar alguém com quem possa dividir bons momentos me entristece demais. Aos 28 anos, nunca namorei. Nunca soube o que é me apaixonar. Não sei o que é sair com um namorado. Não sei o que é ser amado. E por mais que eu tente ser bom nas outras áreas da minha, a solidão é dolorosa demais. Sinto vontade de morrer. Minha comunidade me rejeita.
Sou infeliz.
submitted by EuRoddy to desabafos [link] [comments]


2020.08.16 16:53 masbahmeu SOU BABACA DE NÃO PERDOAR MINHA IRMÃ DEPOIS DELA SAIR DO ARMÁRIO POR MIM??

Oii lubisco, gatas, luna, luno, possível convidado e turma q está a ver Antes de tudo, três pequenos contextos: 1. Minha família é extremamente homofóbica. 2. Minha irmã, vou chamar ela de Carls, (não somos de sangue, ela é filha do meu padrasto, mas eu vivo com ela a minha vida inteira quase) sempre me tratou mal, e com o tempo eu desenvolvi varias coisas, tipo auto estima muito baixa, já q ela sempre me dizia que eu não servia pra nada e era super feia e bla bla bla, talvez ansiedade e depressão (não posso me diagnosticar mas no começo da pandemia eu passei por um momento tenso de querer me não viver, não dormir de noite, ouvir vozes e essas coisinhas) 3. Meu pai de verdade foi comprar cigarro (sinônimo para ser um babaca) e por isso EU sempre considerei o meu padrasto como meu pai, mas ele não pode admitir isso já que a Carls nunca deixou, dai as vezes ele me trata mal por causa dela, pra não alimentar o ciúme e tudo mais, já que eu moro com ele hoje em dia e ela mora em outra cidade com a mãe dela.
Tudo bem, agora a história... Como já perceberam, a Carls ama fazer qualquer coisa pra me deixar pra baixo, então (eu descobri recentemente) nos últimos TRÊS ANOS ela ficou espalhando pra minha familia desse lado que eu sou lésbica, sabendo que a familia era homofóbica e que ninguém aceitaria. Mentira não era, eu descobri que eu sou algumas semanas atrás, porque a minha mãe e a minha dinha tentaram ter várias conversas comigo, do tipo “eu espero do fundo do meu coração que você não seja lésbica”, “não existe duas mulheres e dois homens no sequiso, existe o buraco e o negocio q vai dentro”. Nesse dia ela tentou “me obrigar” a sair do armário, mesmo que ela não quisesse a resposta, eu estava começando a ficar confusa sobre, então eu só respondi que eu não sabia da minha sexualidade e ela surtou, disse que na época dela, ela já sabia que gostava de r#[email protected] e que era impossível eu não saber, ela também reclamou que eu não tenho amigos kkkkk. Falou outras coisas homofóbicas enquanto eu ria na cara dela. Ps: nesse meio tempo, minha prima posta um status no WhatsApp dizendo que ela era bi, mas com uma foto minha de fundo, minha familia descobriu e passaram pano pra ela, então minha prima começou a inventar boatos que eu era bi pra amenizar o lado dela. Além disso tudo ainda tem os claros sinais que eu sem querer dei com o tempo, tipo nunca querendo namorar (mesmo que a minha mãe e o meu padrasto me empurrassem macho o tempo todo), odiar beijar guri (não sei como eu não descobri depois dessa), mas pra mim era normal, sabe? Pra mim todo mundo só fingia gostar de beijar na boca KKK iludida. Enfim, já que eu fui ensinada de pequena que isso era extremamente errado, eu tinha certeza (nem cogitava outra coisa) que eu era hetero enquanto minha familia inteira já sabia que eu não era. Mas agora eu tenho medo de falar pra minha familia, porque eu tenho certeza que eles vão dizer “isso ai é coisa das suas amiguinhas gays” ou que é influência da Carls, que a minha irmã colocou tudo isso na minha cabeça e bla bla bla Isso que o meu padrasto acha que eu tô brava com a Carls só porque ela foi fazer uma maquiagem em mim e quase furou o meu olho (nesse dia eu me dispus a ajudar ela, mas a Carls decidiu gritar cmg o tempo todo e fazer o meu olho de jeito grosseiro, o que me fazia chorar e me fez dEsTrUir A mAQuiAgEm), ou seja, meu padrasto pensa que eu tô agindo feito criança porque a Carls distorceu tudo. Sempre que ela fica aqui em casa minha auto estima abaixa muito e eu me sinto um lixo, sou babaca por não perdoar ela? Ps2: Alguma dica de como contar pra familia? Tenho certeza que vamos sair de “fecha a boca e malha, você ta muito gorda” para “que deus elimine essa doença que você tem” kkkkkk Ps3: obrigada por lerem até aqui, mesmo que ninguém veja já me ajudou muito colocar pra fora... =30
submitted by masbahmeu to TurmaFeira [link] [comments]


2020.08.12 23:57 FoffieBunny Minha primeira vez foi em um menage e isso me atormenta

Ola amiguinhos, venho trazer um desabafo de algo que aconteceu na minha vida que muitas vezes me atormenta.

Sou mulher, tinha 16 anos e naquela época já me considerava bissexual, porem nunca tinha feito nada alem de trocar uns beijinhos.
Conheci uma garota, 2 anos mais velha do que eu, que fazia cursinho na mesma escola onde cursava meu ensino médio, ela era bem extrovertida e tinha um estilo alternativo que me chamou a atenção logo de cara. Eu sou bem tímida, mas acabamos ficando amigas e ela sempre ficava dando umas indiretinhas, ate que a gente ficou um dia e ela insistiu de assumirmos um namoro, eu me senti rendida e não soube dizer não, por mais que tivesse sido legal o momento e gostava bastante dela, não era esse tipo de relacionamento que gostaria, mas acabei aceitando com medo de perder a amizade. Ficamos nesse "namorinho" escondido por uns dois meses e a cada dia eu ficava mais desinteressada. Inclusive era evidente pra ela que eu já não tava mais curtindo

Minha ex namorada tinha um amigo que também era do cursinho, ele era praticamente o oposto dela, um pouco introvertido e não era louco da cabeça. Eu gostava muito da companhia dele e o principal motivo da gente sair, na maioria das vezes, é porque sabia que ele estaria também. Não preciso dizer que eu acabei gostando dele e fiquei deixando minha amiga/namorada de lado, o que acabou deixando ela furiosa e terminando nossa relação.

No outro dia já estava marcando com o garoto de sair só nos dois, o que pra minha surpresa, ele aceitou. Saímos e ficamos, por quase duas semanas, eu estava louca pra namorar, estava tão apaixonada que so compartilhava casalzinho no meu tumblr.

Minha ex descobriu que estávamos saindo e foi tirar satisfação comigo, na hora pensei que iria falar poucas e boas, já que os dois eram tipo melhores amigos, mas ela disse que sabia desde o começo que eu gostava dele e que isso não era problema, que poderíamos continuar ficando e ter o nosso namoro. Como já havia dito, eu não tinha muito coragem pra tomar decisão e ela era uma amizade que realmente importava muito pra mim, então acabei aceitando novamente.

Um belo dia, quando nos 3 resolvemos matar as aulas da tarde, fomos pra casa da minha ex porque os pais dela não estavam lá esse horário. Ficamos conversando e vendo filme, ate que os dois pegam uns trocadinhos e vão no supermercado comprar uma garrafa de catuaba, eu apoiei a ideia, já tinha tomado vinho e gostei. Começamos a beber e ficar mais soltinhos, eu e minha ex começamos a nos pegar de um jeito mais envolvente e mesmo sabendo que o garoto estava ali eu estava super a vontade. Não demorou muito pra ele vim me beijar também e como nesse momento eu e minha ex ja estávamos quase peladas, fiquei sem um pouco sem reação porque era minha primeira vez. Mas pra minha surpresa, no meio dessa pegação, minha ex começou a beijar ele e fazer as preliminares. Ela era mais experiente, então nesse momento fiquei de lado vendo os dois, pensei que iria sentir ciumes mas eu realmente gostava dos dois e toda essa situação tinha me deixado com muito tesão, talvez fosse a catuaba kkk

Eles viram que eu tinha ficava meio parada e perguntaram se tava tudo bem, disse que ainda era virgem e eles ficaram me dando toda atenção. Enfim, acabou acontecendo e pra minha primeira vez achei uma boa experiencia comparada com outras historias que já ouvi de algumas amigas. Mas sempre que eu conto a circunstancia que perdi minha virgindade todos ficam horrorizados, ja inclusive tive um termino de relacionamento quando meu ex descobriu isso. Ainda exigiu que so não iriamos terminar se fizesse um menage com ele tambem.

Foi minha unica experiencia com menage e foi algo natural, mas todos que escutam (não so por mim) tem uma visão de como se eu fosse uma vagabunda.
submitted by FoffieBunny to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:42 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

(Postei primeiro no desabafos, mas resolvi postar aqui também)
O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.
Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.
A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.
A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha
Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:24 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.

Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.

A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.

A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha

Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to desabafos [link] [comments]


2020.07.27 22:44 AlineAMM Preciso de ajuda, eu aceito?

PrIMeiRa VeZ aQUi
Luba, se vc ler isso aqui, vou te ajudar, é uma voz feminina
Olá Luba, editores e turma que está a ver. O “oi” é curto porque a história é longa.
Preciso da ajuda de vocês Turma e Luba, eu aceito?
Já vou dizendo que sou uma pessoa muito tímida, por isso as minhas reações.
Tem um garoto que é meu melhor amigo desde o fundamental. Eu tinha começado a gostar dele desde o 5º ano (estou no 1º) porque jurava que ele gostava de mim também, sério, parecia muito. Na minha escola tem um pomar, e nós invadíamos o lugar quando ficávamos a tarde. Lá no pomar, tinha uma parte onde o solo era mais profundo, virando meio que um buraco. Deitávamos lá, um do lado do outro, e ficávamos conversando. Algumas outras situações e conversas faziam parecer. Tipo, um dia, no aniversário na casa de um amigo meu a sala toda foi e jogaram Verdade ou Desafio e, como eu sabia o que iam perguntar, não participei. Mas ele, meu Crush foi. Perguntaram para ele se ele gostava de mim. Nessa hora eu sabia que deveria sair dali, e não escutar a resposta. Mas a curiosidade foi maior. E ele respondeu SIM. Mas o que eu fiz? Eu saí apressada. Todos da roda viram, e ele veio atrás de mim. Explicou que gostava de mim como amigo, e era isso que queria dizer. Eu não acreditei, mas só respondi OK.
Acho que tudo isso foi durante o 6º ano:
Bom, só para explicar. Na minha sala tinham uns 30 alunos, e eu tinha 3 amigos. Dois meninos e uma menina. Eu até hoje tenho os mesmos amigos, ninguém mais. Tenho dificuldade em fazer novas amizades, e eles também, então o grupo eram só nós 4.
Mas pulando isso. Alguns anos depois aos poucos fomos conversando cada vez menos. Ele não vinha mais falar comigo, e eu não ia atrás. Chegou ao ponto onde não falávamos nem mais “Oi”. Mas eu percebi que ele estava tentando conversar com os outros alunos.
Nessa época eu ainda ia em uma psicóloga, e contei para ela essa situação (só não que gostava dele, porque tenho só 15 anos, n tenho idade para namorar ainda). Ela mandou eu escrever uma carta, como se eu contasse para ele pessoalmente tudo o que queria saber. Escrevi e mostrei para ela. Ela me falou que era para eu contar para ele, pedir o porque dele fazer isso, mas pessoalmente ou por telefone. Não consegui fazer nenhum dos dois. E o que eu fiz? Antes de sair para o recreio coloquei a carta, acho que dentro do caderno dele. Quando voltamos (ele não ficou com a gente no recreio e sim com o resto da sala) esperei um tempo até que ele viu a carta. Leu e começou a escrever uma resposta em um novo papel. Quando ele terminou, veio até a minha carteira e praticamente tacou o papel na mesa, com raiva. Falei nada, e abri. Resumindo: ele escreveu que a gente só falava sobre coisa ruim, e que isso estava afetando ele. Que a gente (quando falo a gente sou eu meus outros dois amigos que citei acima). Que eu não valorizava a nossa amizade. E por fim, que a gente tinha que ir para frente. Eu não entendi na hora, então mandei mensagem quando cheguei em casa. Ele repetiu isso que estava escrito. Isso se repetiu por meses. A gente não se falava na aula, e brigávamos por mensagem em casa. Um dia eu cansei, eu já me culpava pelo fim da nossa amizade, e o bloqueei no WhattsApp. Ficou assim por mais meses. Um dia a tarde acabamos nos esbarrando na praça da escola. Ele falou comigo de boa, como se nada tivesse acontecido, eu fiz o mesmo. Brincamos de Tente Não Rir. Quando terminou e ele tinha que ir em bora, ele pediu para eu o desbloquear. Eu fiz. No dia seguinte, ele nem me disse “Oi” e não nos falamos mais por mais algum bom tempo. Não lembro se isso foi depois ou antes disso acontecer, mas teve um dia que eu tive que contar para meus dois amigos lá o por que de ele não falar mais com a gente. Mostrei a nossa conversa e eles. A tarde desse dia, ele me mandou mensagem, pedindo se eu contei para o “Farls” a nossa conversa e eu falei que sim. O FARLS, ANTES DE TERMINAR O RECREIO FOI ATÉ ELE PARA TIRAR SATISFAÇÃO, e eu pedi para não contar que eu falei das mensagens. O fato de eu contar foi o fundo do poço para ele. Não nos falamos acho que durante 2 anos. E eu continuava gostando dele, mesmo que um pouco menos. Acho no final de 2018 (n lembro direito) ele foi aos poucos tentando voltar a falar comigo, bem aos poucos mesmo. Quando já estávamos praticamente 100% de boa, ficamos eu, ele e mais outra amiga (a outra menina do nosso grupinho) a tarde na escola, pra fazer uma lista de matemática. Nesse dia, os dois resolveram se juntar para me pedir de quem que eu gostava. Eu respondia “alguém”. No fim eu respondi para a menina no ouvido e acabou aí. Agora pulando para durante a quarentena: Eu e esse meu amigo temos Xbox, e jogamos GTA V juntos. Estamos muito unidos, muito amigos e tal. A gente até chegou a citar essa briga, e ele falou que nem ele entendeu por que fez isso. Antes da briga, a gente tinha conta compartilhada no console, e no meio da briga ele tinha pedido para pararmos de compartilhar. Agora durante a quarentena e tinha pedido para compartilharmos de novo, mas eu não aceitei. Bom, O PRINCIPAL AGORA!: Esse ano mesmo, durante a quarentena, ele tinha pedido novamente “de quem eu gosto”. E eu pensei “mds, eu gosto dele desde o 5º ano, vamos falar logo! E falei. O que ele respondeu? “Ah, eu achava que vc gostava do “Y”. E ficou aí. Alguns dias depois, umas 2 da manhã, nós terminamos de jogar e só estávamos conversando. E ele perguntou “você ainda gosta de mim?” (Mais ou menos isso) e eu respondo depois de uma breve pausa “sim”. Ele pergunta se eu quero beijar ele! Eu não entendi na hora e perguntei “por que?”. Ele responde que é porque é isso que eu quero, que está fazendo isso por mim. Nessa hora desabei. Porque eu não queria beijar alguém que eu gosto, mas que não sente o mesmo por mim. Ficamos até umas 03:30 conversando até eu dar a resposta: “sim”. Eu tinha falado sim, mas ainda na dúvida sabe. Eu fiquei com o peso na consciência por um tempão. Até que, um dia mandei mensagem falando que quero conversar sobre a “proposta”. E voltei atrás, falando que não quero. Mas eu nunca tinha beijado antes, até hoje não, e tenho muita curiosidade. E então depois de mais algumas semanas, voltei mais uma vez atrás, e pedi se ele ainda aceita. “Sorte sua que ainda aceito” ele disse. Mas agora estou na mesma questão acima: ele não gosta de mim, e está fazendo isso por mim, e não por que ele quer. Estou pensando em mudar de novo, acham que eu deveria fazer isso? Eu sou um tipo de pessoa que quer um primeiro beijo mais especial sabe. Mas eu tenho curiosidade de como é. Meus pais não querem que eu faça isso, beije, também tem essa questão, e não quero decepcionar eles. Vai que descobrem! E, só pra constar, eu estou gostando menos dele, já sabendo que ele não gosta de mim, e não fiquei triste com a vida, só pensei “vida que segue”. Bom, se o Luba ler isso, o que tenho 80% de certeza que não vai acontecer, eu queria a opinião dele sobre isso... O que acharam sobre a briga? De que lado estão?
submitted by AlineAMM to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.25 05:48 uma_fudida Eu gosto do meu ex, mas fui eu q terminei

Olha luba, gatas, editores, possível convidado, papeloes e turma q esta a ver N me julguem pelo titulo ok? Ta, td começou em um "acampamento" q fiz na escola e lah conheci um garoto, o fernando(vamos de expor pq ele merece) e ele foi muito babaca, ele ficava me jogando na parede, tentando me beijar e falar q fiz coisas indecentes com ele, e qnd acabou a viagem ele conseguiu meu número (até hoje ñ sei como) e tento flertar cmg eu fiz a egípcia logicamente e ignorei, o amigo dele, vamos chamar de pudin, veio pergunta pq eu tava ignorando ele(outro q tirou meu numero do cu) e eu expliquei, ele ficou do meu lado na história, eu e o pudin continuamos conversando, papo vai, papo vem, minha melhor amiga na época (chamaremos de alface, pq eu odeio alface) descobriu q eu tava falando com ele, foi ai q o inferno começou, pq ela viu q ele era bonito e começou a falar q tinha gostado dele antes, sendo q ela nem sabia o nome dele, um tempo passou e a gente começou a namorar, a alface SURTOU e disse q era ou ele ou ela, (minha mae sempre me ensinou a escolher sempre a amiga, pq namoros vem e vao, mas amizade fica), eu queria os 2, então quis abrir o relacionamento p ele ficar com ela e eu poder ter os dois, mas ele n quis pq achou q eu era uma vadia, dai eu terminei com ele... uma semana depois pudin e alface começaram a namorar, ela fez ele cortar td contato comigo, pois sabia q eu gostava dele, e começou a me ignorar, bom, foi isso, fiquei sem o meu namorado e sem minha amiga Eh isso luba, beijos ;-;
submitted by uma_fudida to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.25 05:11 Euphoric_Strawberry3 Sou babaca por gostar do mesmo cara que minha irmã

Olá luba, possível versão de FaceApp, QUASE possível convidado, editores,falecidos papelões, papelões vivos, gatos, turma, animais, seres e plantas deste planeta que estão a ver.
Minha longa história vai começar.
Eu e minha irmã conhecemos um garoto (vamos chamá-lo de pavê), ele tem um irmão (chamaremos de mousse), eu e minha irmã combinamos quem iria ficar com quem(eu com o pavê e ela com o mousse),até aí tudo bem, ficamos observando eles, até que descobri que minha irmã estava falando com o que seria meu o mousse e depois de muita ideias que eles trocaram ela começou a namorar ele, aceitei(brava mais fazer o quê?), depois de um tempo mais ou menos treeeix anos, o mousse virou melhor amigo dela, a gente começou a ficar(antes da quarentena), aí dia 18 teve uma resenha com uns funcionário(5) da minha mãe, nesse dia todos os funcionários ficaram bêbados(menos eu/não gosto de beber),e eles estavam lá, eu e o pavê ficamos jogando e conversando na escada, minha irmã já tonta veio engatinhando até a escada e perguntou para ele:- você ainda gosta de mim?, ai ele beijou ela e falou:- respondi? aí ela voltou pra sala, ai ele já bêbado começou a me olhar, eu toda shy shy shy falei pra ele parar e continuamos a jogar, aí ele falou que não ia acontecer nada, depois na sala ele me abraçou e começou a falar baixinho no meu ouvido.
Maaaaaaas, quando ele estava me olhando eu queria beijar ele, só não beijei porque minha irmã disse que gosta dele, então depois de 'mó' cota ele começou a passar mal e minha irmã ficou com ele no banheiro,e mandou eu ficar com o mousse, aí eu beijei o mousse e acabou a noite...... mentira, sem detalhes..(ps:não dei pra ele)
É isso um beijo pra quem quiser.....
submitted by Euphoric_Strawberry3 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.25 04:03 chapada_de_toddyn O dia em que meu ex invadiu meu quintal (fui babaca ou não?)

oi lubinha, editores, gatas, papelões ainda existentes e turma que está a veler sou gaucha se quiser fazer sotaque
minha história começa a uns anos atrás (2017 acho eu por que nem lembro mais) quando comecei a namorar um garoto, no começo era tudo um mar de rosas, ele me tratava bem, me dava presentes artesanais e com direito até com aliança, porém um tempo depois a gente começou a brigar demais e um certo dia ele ameaçou ME DAR UM SOCO NA CARA se eu chegasse perto dele, tudo isso por que SEM QUERER a camiseta dele ficou suja do esperma DELE, no momento eu parei travei (eu já tinha passado por um relacionamento totalmente tóxico antes o qual teve abusos físicos e psicológicos e ele sabia disso) em instantes ele baixou a mão, pedindo desculpa desesperadamente e me abraçou, seguiu tudo bem depois disso mas eu nunca esqueci aquela cena, um tempo depois ele disse que queria terminar comigo dito ele o motivo era "não ser de uma só" e então terminamos porém seguimos amigos (e admito que a trouxa aqui pegou ele depois do término até esse ano de 2020) mas na ultima vez que ficamos eu e ele tínhamos saído na amizade por que eu realmente não queria pegar ele, mas ele ficava insistindo em me beijar até que em um momento eu recuei e ele me beijou a força.
Eu não tinha mencionado antes mas ele era envolvido com drogas e volte meia me pedia 5 reais por que tava devendo, um dia ele me chamou dizendo que ia morrer que estavam ameaçando ele de morte eu disse que não tinha dinheiro e que se ele me dissesse o nome dos caras eu podia mexer com meus contatos e livrar ele(ta melhor explicado nos prints) mas ele não quis e no dia seguinte me chamou dizendo que tinha resolvido.
(o resto ta nos prints então só vou explicar a parte em que ele surgiu aqui)
Pois então depois de um tempo falando pra ele não vir aqui, os cachorros da rua começaram a latir feito loucos era umas 00h mas eu não dei bola por que tem muitos gatos aqui, até que uma das cachorras do nosso patio começou a latir e ela em especifico só late pras pessoas quando a gente não ta junto (ou seja ela sempre alerta do perigo) e ela começou a latir furiosa, isso já era 00:11 e ai eu levantei e fui chamar meus pais pra verem o que tava acontecendo e quando eu cheguei no quarto deles eu ouvi alguém subindo a escada na hora eu gritei "tem alguém subindo" o pai levantou olhou pela janela e voltou correndo e falando baixo "rosa pega a arma que ta aqui em cima e klash vai pro quarto com teu irmão e tapa os ouvidos dele" (o ta aqui em cima ele tava dizendo que a pessoa tava aqui) eu já pronta pra ligar pra policia quando ouço um tiro e o meu dizendo "Quem ta ai? não se mexe se não eu atiro)" e adivinha quem espondeu? meu ex que logo já saiu falando com as mãos pra cima, não atira sou eu" eu sai correndo do quarto pra porta de casa já gritando "vai embora, sai daqui" e a cara dele quando me ouviu dizer isso foi tipo "como assim ela me viu e não mudou de ideia?" mas só disse "ta ta calma só não atira em mim enquanto eu desço a escada" e então eu nunca mais vi ele, nunca mais falei com ele
(OBS: sobre a história do carnaval nos prints é q no carnaval ele me deixou completamente sozinha quando encontrou uma das ex dele, mesmo sabendo que eu tenho fobia social e não consigo ficar sozinha num lugar com muita gente, sorte a minha que encontrei um amigo meu logo depois, meu melhor amigo inclusive, que conseguiu me acalmar e fazer eu voltar a me divertir)
me desculpa pelos erros de português só por lembrar dessa história eu fico nervosa, me ataca a ansiedade, beijos lubinha, é isso, fui babaca por ter cortado contato ou não? prints:https://imgur.com/a/dbBuQZb
atualmente estou com um garoto que faz bem, nunca levantou uma mão pra mim com más intenções e me trata com todo respeito, inclusive um ex meu saiu do submundo pra falar um monte de besteiras e mentiras pro meu atual, mas isso fica pra outra história
submitted by chapada_de_toddyn to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.25 03:22 Ghostin_suggoi A xereta do whatsapp (n tenho criatividade para criar nomes, ent fiquem com isso)

Olá Luba, editores, gatas, papelões ainda vivos e turma que está a lever. Bem, la estava eu com meus 14 anos, havia me recém descoberto pansexual (apesar de atualmente ter muitas dúvidas sobre isso), estava lá na escola nova, estava conseguindo me entrosar com as outras pessoas. Nessa escola já havia pessoas da minha outra escola, consequentemente ja conhecia algumas pessoas. Dessas pessoas que já conhecia (vou chamá-lo de Richard) havia Richard. Richard já tinha estudado comigo por 2 anos e agora nessa escola nova, nunca parei para conversar com ele para se conhecermos mais a fundo. A escola tinha um "tema" de ensinar os alunos a serem "protagonista" e a direção tinha um projeto de colocar determinados alunos para supervisionar outros alunos no RECREIO (a escola era integral e tinha 3 recreios então provavelmente vou falar de mais um recreio). Somente os líderes e os vice (não sei se tem isso nas outras escolas, mas é tipo os representantes da turma) eram os supervisores, e adivinha? eu era vice e o Richard era líder, isso abriu várias possibilidades de conhecer melhor ele, o porque disso é bem simples. Além de passar 3 intervalos fazendo essa supervisão no recreio, nós tinhamos pequenas reuniões, onde na qual quando acabavam nós íamos mais cedo merendaalmoçar doq os outros alunos. Depois de um tempo, nós começamos a se conhecer melhor e eventualmente trocar o famoso zap zopti (???) um do outro. Conversa vem e conversa vai, (claro alguns dias se passaram) eu disse q qria conversar com ele, porém ele disse q estava mt ocupado e que qnd chegasse em casa dava certo. Ao chegar em casa a primeira coisa que eu fiz foi ir falar com ele para se declarar (nunca tive tantos problemas com isso), e eu disse que n qria somente amizade queria algo a mais, e por alguma sorte do destino ele disse q sentia a msm coisa por mim, enfim, comecei a namorar a escondido com ele, (dos meus pais) sempre foi uma coisa mt aberta com meus amigos e consequentemente acabou q nos primeiros dias de namoro, a escola toda ja sabia q eu namorava. Estava indo tudo muito bem, mas alegria de pobre dura pouco, e realmente dura mt pouco. Certo dia estava lá eu na escola tudo ocorrendo normal até eu chegar em casa. Quando chego, rolou o seguinte diálogo com meu pai (um homem estupidamente homofóbico, mas isso não vem o caso agora): - O que foi que aconteceu? - Nada? - Pq sua mãe ta la no quarto chorando? Eu tinha ficado em dúvida, até ir la no quarto da mesma. E vi uma das cenas mais traumatizantes que ja tinha acontecido na minha vida: Minha mãe chorando, com a camisa toda molhada de provavelmente lágrimas, e com os olhos inchados (oq provavelmente ela ja estava ali chorando por algum tempo). Eu estava por incrível que pareça muito calmo (até hoje não sei como) e calmamente perguntei - Mãe oq foi que aconteceu? Eu fiz essa pergunta por mais/menos umas 5 vezes, até ela fazer a simples pergunta: - Porquê? - Porque o que? (minha mãe me entrega o celular na conversa com Richard) Eu fiquei meio espantado, porém tentando manter a calma pelo seu belo histórico de pegar meu celular escondido para ler minhas conversas. - Então eu ja venho querendo falar isso com a senhora a algum tempo... Eu não sou hétero (tive que explicar para ela o q era ser hétero), mas pansexual (tmb tive q explicar para ela oq era). - Como você pode esconder isso de mim? Nós éramos tão próximos... Isso com certeza foi influencia dos seus amigos. (eu não queria prolongar muito pq ja sabia que ela não iria entender logo de começo) - Mãe, eu não me sinto confortável com a senhora falando dessa maneira... - POR QUE VOCÊ NÃO ME CONTOU? - Por causa disso mesmo, mas enfim, não estou entendendo o pq da senhora estar chorando desse jeito por uma coisa como essas, isso não é nada de errado (pra ela sim pq ela é típica mãe religiosa, e tudo que não seja de acordo com a bíblia está errado). Depois de um tempo eu disse que não queria q ela contasse para o meu pai, pelo motivo dele ser preconceituoso para caralho. Ela concordou, porém alguns dias depois ela disse ESCONDIDO de mim sobre a minha sexualidade, tipo, vcs podem até estar achando errado eu pedir para esconder isso do meu pai, mas vcs não sabe o quanto ele ja me criticou por isso. Quando cheguei em casa ele ja estava com raiva e me perguntou (gritando pq ele não sabe falar baixo) - NÃO TINHA MULHER PRA BEIJAR NÃO NAQUELE BANDO DE VAGABUNDOS DA SUA ESCOLA? Eu simplesmente não respondi pq não adiantaria, ele tem 67 anos, logo tudo que eu falasse ia ser totalmente anulado. Bem, até hoje (isso tudo aconteceu antes da pandemia, no início do ano), não tocamos muito nesse assunto e o meu pai somente caga pelo fato de mim beijar homens. Então lubixco (provavelmente ele n vai ler isso, mas não vale nada sonhar kkk), e pessoas que leram até aqui essa foi minha história. Tenho somente uma dúvida (tanto para o luba e tanto para quem está lendo): É capaz de uma pessoa parar de se atrair por um sexo e começar a se atrair por outro? Eu estou nisso ja faz um tempo e não sei o pq. Até 2 anos atrás gostava de uma menina, q eu gostava mt e ela n sentia nd por mim. Atualmente não consigo sentir nd pelo meu sexo oposto, agradeceria mt se algm pudesse me explicar ou dizer se passa por algo parecido. Então é isso bye.
submitted by Ghostin_suggoi to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.22 13:37 Dattebayo2109 Eu sou babaca por não querer mais contato com o meu ex crush?

Bom dia, boa tarde ou boa noite para todos que estão lendo ou vendo, espero que vocês estejam bem. Bom vou começar minha história
Tudo começou no final de 2018, quando eu estava no sexto ano em uma festa de aniversário da minha melhor amiga que vamos chamar de "La" , conheci um garoto (que será chamado de Iludido) que é tipo um irmão para a minha outra melhor amiga que vamos chamar de "So" . Então depois de uns três ou quatro meses, descobri que o Iludido gostava de mim, então pedi o número dele para a So e ela me deu então a gente começou a conversar. De boas né, e depois de algum tempo até que comecei a gostar dele e a gente tava conversando praticamente o tempo todo. Até que tive o erro de perguntar se ele queria namorar comigo, então tenho a grande revelação de que ele já tinha namorada, ou seja, ele gostava de mim, enquanto ele namorava outra garota. Agora no meio de 2019 (especificamente julho) ele me falou que terminou com a namorada, mas que ainda gostava de mim, e então eu como uma corna mansa decidi perdoar ele.
Depois a gente combinou de ir no shopping com mais alguns amigos. e todos estavam me colocando muita pressão para beijar ele ( eu era a única do grupo que era bv) e a gente foi no cinema assistir Malévola 2 e então ele sentou do meu lado e a gente ficou de mãos dadas. De repente ele tenta me beijar não só uma mais duas vezes, o pior é que ele ficava indo e voltando para tentar me beijar, pedi para a "So" trocar de lugar comigo e ela trocou, no final eu, a "So" e um outro amigo nosso fomos para a fileira de cima.
Depois de muito tempo de conversas, nada de beijo ou namoro saí de nos dois, e decidi que ia trollar ele, fingindo que eu estava brava com ele (Sei que foi errado o que eu fiz com ele, mas ainda sim eu ia falar para ele depois que era trollagem) só que ele levou isso um pouco a sério de mais. Uns dias depois a "So" combinou de ir no shopping nos duas, e quando chego lá o Iludido estava lá, e de boas, mas tive que falar que era trollagem, e ele ficou um pouco puto, mas depois pedi desculpa para ele e ele aceitou, e a gente ficou de boas.
Desde então todos os dias ele me mandava mensagem e já estava começando a encher o saco todos os dias a mesma conversa que era mais ou menos assim:
Iludido - Bom dia
Eu - Bom dia
Iludido - Tudo pão? ( o pior era que ele literalmente me mandava um emoji de pão)
Eu - Tudo e vc?
Iludido - Também
E acabava a conversa, e então isso se repetiu desde o shopping ( que foi em dezembro de 2019) até o dia 12/06 desse ano, até que eu estava em ligação com três amigas minhas, e uma delas ( que vou chamar de "ME") falou para eu mandar uma mensagem para ele falando que ela ainda estava com raiva dele (do negócio de ele gostar da minha pessoa e ao mesmo tempo namorara outra, porque isso na época me deixou muito triste, já que muita gente da minha turma de amigos shipava nos dois) já que ela não tem Whatsapp, e beleza eu mandei, e então ele começou com infantilidade e babaquisse e começou mandar todo mundo ir tomar no c*, foi aí que eu pistolei e comecei a defender elas. De boas, então o maior erro aconteceu, as minhas amigas foram mandar mensagem para ele, e ele chega no meu pv e falou tipo assim "chamou as amiguinha e a namoradinha (ele falava da "So") para se defender?" e então depois de um pouco mais de discussão a gente se bloqueou acho que ao mesmo tempo. E o melhor é que a gente descobriu que ele é um BOOMER, pq ele usava emoji para tudo.
Final da história: Eu e ele paramos de conversar e tecnicamente ele estava certo, porque daqui duas semanas eu e a "So" fazemos três meses de namora
Então turma e Luba, eu sou a babaca?
submitted by Dattebayo2109 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.18 08:30 rafaspbarbie A AMANTE.

Oi genty, povo tudo vocês, Lubisco, gatitas, editores, turma, galero, convidado não por que né QUARENTENA, mds to nervouser. Essa história é a história de como eu virei a amante de um cara. Como é uma história anônima, vou mudar os nomes tudo. Se preparem pois ela é looooonga
Bom, em meados de 2016, tinha voltado a estudar na Tijolinhos (nome fictício de uma escola particular em Brotas-SP) depois de repetir de ano e tal. Lá conheci a Joséfa, que virou minha melhor amiga pra vida (ou não, né?), e desse rolê todo boa parte foi culpa dela (TÔ DE OLHO JOSÉFA). Um lindo dia na escola, tava eu lá, com vontade de fazer pipi, ou só me olhar no espelho pra ver o quão bonitona eu tava, e quando tava descendo eu vi ELE, Pablo, na sua escadinha de técnico de Wi-Fi, skksksksksks ele era lindimais (bom, eu achava né) e daí eu passei por ele, trocamos olhares bem calientes, mas ficou por isso.
Logo de noite ele me adicionou no SNAP, sim, snapchat. E trocamos muita ideia, ele era muito inteligente e a gente combinava em muitos aspectos, tava xonadinha. Depois de uns dias conversando com ele, o mesmo apareceu na escola de novo, E DAÍ QUE COMEÇA A MERDA. Estava sentada com Joséfa e comentei:
Na hora eu mandei mensagem pra ele falando um monte de coisa, que era um absurdo ele namorar e falar comigo daquela forma, insinuando coisas, falando pra gente ficar e tal e que eu seria só amiga dele a partir daquilo, AHAM.
Daí entra a parte importante da Joséfa na história. A doida nada mais nada menos me chamou pra fazer vôlei com ela, e eu fui, tinha dois horários, o das kids e dos adultos, íamos nos dois. Fomos no primeiro horário, e partimos pro segundo logo em seguida. Então tava eu lá, linda e plena mexendo no celular e daí a anta da Joséfa começa a dar risada olhando pra longe, eis que me vem à imagem de quem? PABLO. Ela já sabia que ele fazia vôlei, acho que ela queria ver o circo pegar fogo, MESMO. Ele me cumprimentou todo sem graça, mas sempre trocando olhares comigo do tipo "te quero" e eu me segurando pra não pular nele ali mesmo. A gente continuou conversando normalmente, mas havia um flerte sim, mesmo que muito inocente.
Mais pra frente, decidi chamar ele pra conversar, falar pra ele que eu estava gostando dele de verdade, combinamos de conversar depois do vôlei e ele me daria uma carona até a casa dele. A conversa foi basicamente os dois se olhando na maior vontade, eu falando que gosto dele, ele retribuindo, mas também falei que não faria nada em respeito a namorada, AHAM². Durante a conversa teve troca de carícias, muitos abraços, carinhos e olhos nos olhos. Quando íamos pro estacionamento pegar a moto dele, ele me levou para um canto escuro e tentou me beijar, mas dei um abraço porquê não tava me dando por vencida. Quando subimos na moto, ele me disse que ia passar na casa dele pra pegar o carro pois seria mais confortável pros dois (o que ia ser mais confortável hein, Sr. Pablo?!), mas que não era pra me preocupar pois não teria ninguém em casa... MAS TINHA! A família toda dele tava lá, mãe, padrasto, irmãos.. entrei lá com a maior vergonha, ainda tive que ouvir do irmão "quem é essa menina estranha?" Fui pro QUARTO dele, sentei lá na cama e fiquei um tempo ali absorvendo tudo, enquanto ouvia ele falando com a mãe sobre mim, "apenas uma amiga"... sei (foi exatamente o que a mãe dele disse, não tínhamos muita credibilidade). Fomos pra minha casa e ele tentou me beijar de novo, mas não rolou, ainda achava que não daria o gostinho pra ele.
Continuamos conversando e tendo uma relação bem inocente, e era muito bom, confesso. A gente ainda ia no vôlei, ele me dava caronas, era bem discreto e bom, como aqueles romances dos anos 50 que não havia nem beijo, o sentimento se mostrava em outras demonstrações, no carinho, no toque, nas conversas, nos olhares e era bem assim, me vendo por fora da cena, veria uma garota com cabelos aos ventos sorrindo na garupa de uma moto abraçada em um cara que a fizesse sentir o amor, o vento, borboletas no estômago uma primeira vez.
Eu, Joséfa e Pablo descobrimos que teria uma chuva de meteoros na madrugada de quarta pra quinta, nos animamos muito pra ir, mas no fim iria só eu e ele... era o que eu achava, né? (Só pra constar, não havíamos beijado ainda.) Bom, ele me buscou em casa, fomos pra casa dele buscar cobertores e nisso ele me deu uma camiseta (que eu tenho ate hoje) de unicórnio. Com isso ele me disse que umas pessoas iam junto, fiquei meio assim, mas se não tinha problema pra ele, por que teria pra mim? Só que essas pessoas eram o que? A FAMÍLIA DELE. Primos, tios, tia avó (que aliás, gostou muito de mim) muitos deles achavam que eu era a namorada dele mesmo, pois estávamos muito próximos já. Durante a chuva eu só conseguia olhar pra ele, muitas das vezes ele me fazia olhar pras estrelas (não é atoa que eu o chamo de "Sr. das estrelas"), esperando algum meteoro cair, mas eu não vi nenhum. Enquanto estávamos lá, com a família dele, a gente se acariciava, ele me dava selinhos e eu juro que podia ser só isso pro resto dos meus dias com ele, pra mim estava perfeito. Fomos embora, levamos um dos tios dele pra casa, nisso ele me pergunta se eu queria ir embora já, obviamente disse que não.
Fomos para uma parte onde dava pra olhar bem as estrelas, mas naquele dia eu tava cansada de olhar pra elas. Nós paramos o carro e, naquele momento tudo parecia em câmera lenta, de olhar um para o outro, como tirar o cinto e até na hora do (finalmente) beijo. Sim, naquele momento eu virei A Amante. O beijo foi incrível, tudo se encaixou, foi o melhor beijo da minha vida até hoje, tínhamos química, minha pele se arrepiava só dele me tocar, era tudo como um conto de fadas, só que sem a parte do príncipe encantado.
Eu vivia com ele, vivia na casa dele, assistimos vários filmes, passamos por lugares incríveis, daqueles que faziam a gente suspirar e não querer parar de olhar. Cada vez mais eu me apaixonava, ele me fez sentir coisas que eu nunca senti, me fez ver coisas que eu nunca vi, me fez me maravilhar com as coisas simples, como estrelas. Mas eu sempre ouvia dele que ele sempre era o coitado, de como a Jurema (a tal da namorada) era ruim com ele, das vezes que ela traiu ele, das vezes que ela o tratou mal, mas mal sabia Jurema o que ele fazia também, mal sabia ela o quanto eu me sentia mal por isso. Sempre coloquei na minha cabeça que não tinha motivos para trair, mas que eu me conformei com a situação, achei que, dessa vez, tava tudo bem, até porquê eu tinha ele, né?
Como o tempo, tudo se passava, ele me fazia promessas, me prometia terminar com Jurema, que seríamos felizes, ja estava enjoada de ser rotulada como A Amante, não só por mim, mas por ele, por Joséfa também (que passou vários momentos de vela entre eu e Pablo). Numa dessas fui até na casa da avó dele, joguei truco com sua família, beijei ele na frente deles, (um deles lembra de mim até hoje, fala comigo como se eu fosse a ex oficial dele kkkk). Numa outra saímos com um dos seus amigos, nesse dia descobri que a nossa música era aquela lá, a tal da Cataflor do Tiago Iorc, aquela que toda vez que ouço lembro do dia em que eu ouvi pela primeira vez. Esse tal dia estávamos eu e Pablo em sua casa quando ele recebe uma ligação do seu amigo falando que ele queria vê-lo, Pablo falou que estava com uma "amiga" e esse amigo, o Gerson, disse que tudo bem eu ir junto. Entramos no carro, cumprimentei ele, e logo ligamos o som do carro ouvindo Tiago Iorc num tom bem doce, todos cantando e, no momento que esta começou a tocar, ele segurou a minha mão e disse:
-Ok.
Nisso começa a letra, não era atoa que eu me apaixonei, um cara que disse que me daria todas as flores no mundo mas que nenhuma delas chegava a ter a beleza que eu tinha, que a natureza tentou imitar 'tamanha' beleza mas que falhou, pois não tinha como ter algo tão bonito quanto. Como eu não me apaixonaria? Eu também não sei responder essa.
Logo após um tempo, comecei a cobrar o término dele e ele sempre me dizia que era muito difícil, pois era um relacionamento muito longo (3 anos). Pois bem, um mês depois disso ele terminou, viajou pra cidade dos primos dele, foi em várias festas, beijou várias meninas e depois que voltou, me buscou em casa, fomos pra um dos "nossos" lugares, ele sentou comigo e me contou tudo, das meninas, de quem ele teria ficado, como que ele estava amando ser solteiro e tudo mais. A ficha não tinha caído, ele realmente estava solteiro, não devia mais nada à ex, mas ao mesmo tempo parecia que ele não devia nada à mim também, que o cara que falava aquelas coisas, me fazia sentir aquelas coisas e falava que era apaixonado por mim havia sumido junto com o término dele. E. ISSO. DOEU. MUITO. Ficamos naquele dia, mas eu fiquei extremamente desconfortável, cheguei em casa e chorei por horas, do tipo "será que aquele cara nunca existiu?". Nos afastamos cada vez mais, e cada dia que passava a única oportunidade de ver ele, eu não via.
Teve uma festa, a Semáforo, foram todos meus amigos, me diverti pra caralho, dancei por bosta e por fim, ele estava lá, fiquei com ele várias vezes, fiquei com a Joséfa também (pela primeira vez), demos um beijo triplo, ficamos por maior tempão juntos, até subi no colo dele quando ele tava deitado no sofá kkkk, hoje em dia isso é de boas, mas na época muita gente me julgou. Depois disso nos afastamos de vez.
Umas semanas depois, estava na aula de artes, (na qual a professora era madrasta do Pablo) quando a professora diz:
Olhei pra Joséfa na hora e fiquei muda, aquilo partiu mais ainda meu coraçãozinho. Mas o que não era pra ser, não ia ser, não é?
Bom, gente, essa foi a minha história. O Pablo continua com a Múmia, mas não adianta ter uma aliança no dedo DE NOVO, e ainda olhar pra mim com a mesma cara de apaixonado de antes, vir me seguir nas redes e ainda dar em cima de mim, TÁ PABLO??? VÊ SE APRENDE A RESPEITAR A SUA MULHER, BEIJOS.
Um beijo no core de vocês, espero que tenham gostado, xau.
submitted by rafaspbarbie to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.06 13:14 _st3lla_dan1el_ O Ex e a “amiga”

Ex namorado e “amiga”
ISSO É UMA HISTÓRIA OP Saudações, Luba sem barba, turma, gatas, papelões e editores, eu prefiro não falar meu nome pq foi um acontecimento q eu tive q n me orgulho, me deixou muito mal e tenho pessoas que tomaram lados diferentes do “meu” se vc quiser pode fazer voz de menina de 14 anos, ent vamos para a história
Só pra dar um pouco de contexto, eu namorei um garoto (Carls) 2 vezes, uma em 2018 (maio a junho)e dnv em 2019 (junho a setembro, eu acho)
bom vamos pra história, começando em um aniversário de uma colega da escola, tudo começou lá, dei um apelido a ele, mas tinha acabado de terminar cm o melhor amigo dele (Varls) e eu sou uma psoa que gosta de dar respeito a outra, ent enrolei quase um mês o garoto(Carls) desde a festa, para não machucar os sentimentos do Varls, e só dps de um mês comecei a namorar o Carls, que me tratava muito bem, ficava de boas com meu amigo, me deu até um COLAR DA VIVARA DE PRATA de dia dos namorados (vou tentar botar a foto) e fomos pelos meses mais felizes daquele ano (os meus) mas chegamos nas férias, e nos desaproximamos, voltamos as aulas e tínhamos parado de nos falar do jeito que éramos próximos, não viramos desconhecidos, bom chegamos no dia de um passeio escolar e eu tinha ficado com 2 meninas e a {insira o nome que quiser, vou mencionar ela como ~}, eu a considerava minha amiga, porém se provou não. Quando eu achava a ~ minha amiga, bom ela não foi. No passeio escolar, tivemos que nos dividir em grupos e justo ela (~) ficou cm ele, achei nada de mais até eles começarem a ficar muuuito mais juntos do que eram, eles nem se falavam e em questões de horas estavam se abraçando e tudo mais, faltavam só se beijar e no final do dia eu peguei e tentei falar com o Carls, mas ele estava definitivamente me evitando ent fui falar com o Varls pra ver se ele sabia de algo que eu não sabia, ele me falou pra ir conversar com o Carls mas como ele estava só me evitando, falei com minha amiga (a mais próxima de lá pq a minha melhor amiga é rica af e tava em um intercâmbio de 2 semanas) para falar com o Carls pra mim, ela falou com o mesmo e descobri por ela e não por ele que ele não gostava mais de mim, na tarde seguinte eu terminei com ele e falei pra ~ que eu não queria que ela ficasse tão perto quanto estava e pedi para se afastar, pois ainda gostava dele e terminei com ele, pois queria ver ele feliz. Ela CONCORDOU, na noite do término ele e os amigos gritaram no meio do nada na balada “TÁ SOLTEIRO, TÁ SOLTEIRO” e dps me perguntaram como foi minha reação quando ELE terminou comigo, quando fui falar com o Carls ele disse que era para a reputação dele pq da última vez eu tinha terminado com ele 🙄, enfim quando acabou o passeio (domingo) no próximo dia teve aula e com oq eu me deparo? Com os dois se abraçando, pior que no passeio eu puxei ela pro lado pra falar se eles poderiam ser mais discretos, em vez de ela concordar ou argumentar algo válido, ela ficou brava comigo e não nos falamos até hj e EU larguei meu orgulho e pedi desculpas, ela não aceitou e fazia de tudo para me fazer ter ciúmes e quando eu comecei a gostar de outros garotos, + ou - em outubro ela continuou com ele e pouco depois perdeu o interesse no garoto.
Eu tbm n achei nenhuma ft do colar ou o colar
Enfim lubinha, essa é a minha história, obg e valeu se vc chegou aqui, o pior é q tem mais história, mas eu to com meus pais me mandando dormir pq tenho aula on-line amanhã às 8:00 🤮🤮🤮. Enfim te amo e xauuu
submitted by _st3lla_dan1el_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.05 05:31 zer0cu Talarico sem culpa

Eu tinha 1 amigo na juventude q a gente fazia mt pirraça juntos. Ele tinha uma namorada mas eu nunca a olhei c/ outros olhos. Namorada de final de semana. Era assim os namoros na nossa época. Geralmente os pais n deixavam as adolescentes namorar ou sair td hora. Então a gente ia para os soares dançar e lah ficava c/ as minas. Era normal isso
A gente curtia diversos salões de discoteca e ateh em outras cidades. Um dia meu amigo pediu para eu ir em um salão pq a namorada dele estaria lah. Era para mim ficar fazendo cia para ela e cuidando dela para ele enquanto ele ia em outra cidade ficar com outra mina que o pai liberou para ir ao baile. Concordei
Entrei no salão e procurei por ela e encontrei fácil. Ela usava sempre a mesma roupa nas discotecas. Ficamos dançando a noite td. No meio das músicas disco sempre tinha as músicas lentas. Ela convidou p/ dançar pq o namorado estava doente e eu podia dançar com ela. A gente era mt conhecido ali
No meio da dança alguém esbarrou em nos e por coincidência na mesma hora que os rostos estavam frente a frente. Acabamos nos beijando e ficando
Ficamos preocupados e decidimos sair dali pq td mundo conhecia a gente. Fomos p/ uma praça. A gente sentou no banco e começamos nos beijar como se n houvesse amanhã e não haveria mesmo
Peguei nos seios dela sem nenhuma negativa da parte dela e continuamos os beijos e os amassos. Convidei ela p/ irmos na minha casa. Minha mãe estava na minha tia e minha irmã na casa do noivo. E fomos
Chegando em casa fomos direto p/ a cama da minha mãe continuar os amassos. Tirei a blusa dela. Ela era linda de rosto e de corpo. Tirei a calça dela tb e comecei a beijar e massagear aquela xoxota e seios. Uma delícia. Fui puxando a calcinha e beijando aquela buceta enquanto tirava minha roupa
Qnd eu jah estava nu pronto para come-la ela pediu para parar porque ainda era virgem. Fiquei frustrado sem saber o que fazer mas não insisti. Cai na real no problema q aquilo seria e coloquei minha roupa e ela a dela. Por coincidência minha irmã também chegou. Meu cunhado foi ateh o quarto e olhou p/ a gente. Tudo normal pq a gente estava de roupa
Fui levar ela em casa. 20 minuto de caminhada. Próximo da casa dela paramos pq eu n podia levar ela ateh lah. Começamos a beijar de novo ela enfiou a mão na minha calça de elástico, igual um moletom soh q tecido mais fino e me punhetou bem gostoso enquanto me beijava. Gozei ali naquele murinho da escola. Acho q foi a melhor pegada no meu pau q recebi ateh hj
Durante a semana n encontrei meu amigo em nenhum dia. Ele sumiu. Nos encontramos na frente da discoteca e ele puxou uma escarrada e guspiu próximo de mim. Percebi q n éramos mais amigos e toquei minha vida sem ele e nunca mais o vi
Eles terminaram e logo em seguida ela casou com um cara bem mais velho q traía mt ela. Ela sumiu da cidade. Uma pena pq se a gente tivesse transado naquela noite estaríamos juntos ateh hj. Ou mortos
submitted by zer0cu to sexualidade [link] [comments]


2020.07.01 23:56 girassol_12 eu sou babaca por querer acabar com um relacionamento?

olá luba, gatas, turma e editores! tudo bem? bom, ano passado eu conheci um menino, ele é 2 anos mais velho que eu e eu achava ele super lindo e quis fazer amizade. (ele tinha alguns problemas de família e eu queria muito ser uma “amiga” na qual ele pudesse contar pra literalmente tudo). eu puxei assunto primeiro e eu comecei a gostar dele, só que só contei pra ele um mês depois e ele disse que era recíproco pepepe papapa. aí a gente ficou “junto” por mais ou menos um mês e meio, só que enquanto isso, ele me tratava de um jeito hiper tóxico, mas eu era a besta apaixonada da história ent eu nem percebia. (no início ele era bem carinhoso mas depois começou a ser tóxico) enfim, eu chorava quase todo dia e deixava de aprender as matérias das minhas provas pra aprender as matérias dele pra ensinar pra ele (e ele era 2 anos mais velho!!!) até que isso teve um fim (amém) ele queria apenas me beijar, só que eu sou muito nova e nem maturidade eu tinha pra isso ano passado. eu continuei gostando dele, mesmo ele me desprezando pra caramba. aí, no final do ano passado, ele veio de conversinha falando que eu tava linda e etc e que a gente deveria ficar (oq eu claramente n queria) só q como eu tava sozinha na vida, a gente flertou pela diversão mesmo (quem nunca kkk) aí foi temporário e tals. passou muito tempo e atualmente nessa quarentena ele começou a puxar assunto mais uma vez e flertando por brincadeira, falando que eu tava gostosa (????), que eu tava linda, e que queria ficar comigo. eu claramente recusei pq estou afim de outro menino. literalmente um mês depois ele me aparece NAMORANDO, e postou um story com a namorada dele chamando ela do nome que ele me chamava apenas pra me provocar. eu nem sei quem é ela, mas acho um mês pouquíssimo tempo pra namorar com alguém sendo q vc tava afim de outra pessoa. todo mundo fala pra eu conversar com ela, pq ela pode ser corna. eu seria a babaca por fazer isso?
submitted by girassol_12 to TurmaFeira [link] [comments]


VANTAGENS DE NAMORAR UMA MULHER - YouTube COMO NAMORAR NO MINECRAFT (TEVE BEIJO) - YouTube tribalistas ja sei namorar - YouTube DICAS PARA BEIJAR GOSTOSO - YouTube NAMORO SEM BEIJAR? - Com Israel Subirá - YouTube Já Sei Namorar - Tribalistas Ao Vivo - YouTube CRIANÇAS PODEM NAMORAR? COM QUE IDADE VOCÊ PODE NAMORAR ... AMAR, BEIJAR E CURTIR. - YouTube Claudia Leitte - Beijar Na Boca - YouTube

Beijar sem namorar pode? VERBOETERNO.ME

  1. VANTAGENS DE NAMORAR UMA MULHER - YouTube
  2. COMO NAMORAR NO MINECRAFT (TEVE BEIJO) - YouTube
  3. tribalistas ja sei namorar - YouTube
  4. DICAS PARA BEIJAR GOSTOSO - YouTube
  5. NAMORO SEM BEIJAR? - Com Israel Subirá - YouTube
  6. Já Sei Namorar - Tribalistas Ao Vivo - YouTube
  7. CRIANÇAS PODEM NAMORAR? COM QUE IDADE VOCÊ PODE NAMORAR ...
  8. AMAR, BEIJAR E CURTIR. - YouTube
  9. Claudia Leitte - Beijar Na Boca - YouTube

Hoje contamos pra vocês quais são as vantagens que nós notamos por namorar uma mulher. O video é apenas entretenimento kk Music video by Cláudia Leitte performing Beijar Na Boca. (C) 2009 Universal Music Ltda #CláudiaLeitte #BeijarNaBoca #Vevo O vídeo de hoje é um Bate Papo sobre a infância e a adolescência. Falei sobre namoro, com que idade a criança pode começar a namorar, como fazer os pais acei... Tive a honra de entrevistar Israel Subirá, um cara fantástico e inspirador, você não pode perder essa conversa, tenho certeza que vai edificar você. Ah e se ... Já Sei Namorar (Arnaldo Antunes / Carlinhos Brown / Marisa Monte) Já sei namorar Já sei beijar de língua Agora só me resta sonhar Já sei onde ir Já sei onde ... clique no link e assista a temporada completa na amazon prime video! https://bit.ly/pinkamazonprime amar, beijar e curtir. subscribe now in our channel - se ... CANAL NOVO! - https://www.youtube.com/channel/UC9fsP1DEr0FLldvXC36th2g Instagram: - ( @jennyprin ) http://bit.ly/JennyferJackeline - ( @matheusgiachetta) h... INSCREVA-SE NO CANAL Namorando no Minecraft ☆ NOVA CASA DA CAROL ☆ VEJA https://youtu.be/eL97QWp7Nl8 ☆ DEI UMA CARRO PARA ELA: https://youtu.be/AVm... Videoclip